19

Situada a 60 quilômetros de Itabira, pertencente naturalmente à sua região de influência, segundo a própria denominação implícita do novo prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage, o ex-distrito de Conceição do Mato Dentro tem a sua história, assim como milhares de outros no mundo. Teve pompas e grande tradicionalismo, principalmente em festas pagãs, cívicas e religiosas.

Registros pesquisados por esta reportagem, com a ajuda de historiador, traduz o aparecimento de Cachoeira Alegre nos mapas do estado e do país. Assim, São Sebastião do Rio Preto não foge à regra. Alguns são escritos arquivados por museus ou bibliotecas e, ainda, livros do tombo, mantidos nas igrejas.

Vista aérea e parcial, recente, de São Sebastião do Rio Preto: a pequena cidade tem tradição e história, acolhedora e com grande vocação de promover festas cívicas, folclóricas e religiosas

Vista aérea e parcial, recente, de São Sebastião do Rio Preto: a pequena cidade tem tradição e história, acolhedora e com grande vocação de promover festas cívicas, folclóricas e religiosas

LIVRO DO TOMBO

Na Paróquia de São Sebastião do Rio Preto existem anotações no Livro do Tombo, cujo resumo é transcrito a seguir: “Em 1814, chegaram ao local três portugueses; João da Silva Maia, Alexandre Ferreira de Sá e José Guarda-Mor Fernandes das Mercês, como os bandeirantes daquele tempo, à procura de ouro. O fundador, João da Silva Maia, construiu uma Capela de São Sebastião às margens do Rio Preto, onde atualmente se localiza a sede, e confeccionou uma imagem do referido Santo, com madeira tirada das matas que existem na mesma região. O povoado recebeu a denominação de Cachoeira Alegre, depois São Sebastião do Cemitério e, mais tarde, São Sebastião do Rio Preto”.

ORIGEM E CRESCIMENTO

A Revista do Arquivo Público Mineiro (1899) foi mais uma fonte consultada e contém anotações com detalhes referentes à população, riquezas econômicas, questões de saúde e geográficas. Contudo, não se refere à cultura, como o folclore e a existência de comunidades quilombolas que existiam, segundo narrativas da população antiga, espalhada pela zona rural. Notícia Seca visitou cada uma das localidades, fez uma listagem de fazendas, algumas destruídas pelo tempo e outras ainda resistentes porque foram conservadas. Foi um trabalho, a princípio contratado pela Prefeitura mas, em seguida por ela própria desprezada. Avalie o leitor.

UMA CIDADÃ CHAMADA LUZIA CÂNDIDA

Acrescentando algo mais às anotações da Paróquia, e até mesmo definindo detalhes citados na Revista do Arquivo Público Mineiro (1899), a filha da cidade, Luzia Cândida Ferreira de Almeida Dias, falecida em 1997, escreveu: “A capela, construída por João da Silva Maia, inicialmente, foi no terreno onde se ergueu o sobrado de Paulo Juventino Ferreira, que esse adquiriu da antiga família Moura, depois vendida a Seraphim Sanna, natural de Ouro Preto, vindo de Passabém”.

Luzia Cândida, historiadora, era também festeira: ao lado do marido conhecido como Chico do Padre Argel

Luzia Cândida, historiadora, era também festeira: ao lado do marido conhecido como Chico do Padre Argel

No tempo dos Moura, ela foi reconstruída em forma da Igreja Matriz, a poucos metros, chamada mais tarde de Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Esta foi demolida pelo então pároco Padre Raul de Melo, em 1963.

Quando se deslocou a capela do cemitério para o alto do morro, escravos residentes nas fazendas da zona rural tomaram a iniciativa de reconstruir o sobrado com gigantescas peças de madeira de lei, entre as quais jacarandá em grandes dimensões. Até os nossos dias está resistente e pertence à família do ouro-pretano, que também militou como farmacêutico durante muitos anos até seus dias finais de vida, em São Sebastião do Rio Preto.

Anos 1950: Festa cívica em 7 de Setembro: estudantes e banda de música reunidos na Rua do Rosário, vendo-se parte da Igreja do Rosário, demolida, e da escola, também jogada ao chão

Anos 1950: Festa cívica em 7 de Setembro: estudantes e banda de música reunidos na Rua do Rosário, vendo-se parte da Igreja do Rosário, demolida, e da escola, também jogada ao chão

RICA CULTURA DE UM ARRAIAL

Luzia Cândida comandava grupos de teatro, bem como escrevia peças que eram apresentadas num espaço cedido pela Paróquia. Indo além de suas forças intelectuais, mesmo sem tempo, conseguia juntar adolescentes e crianças e formar grupos de Caboclinhos que abrilhantavam festas folclóricas e religiosas.

Ela também revelou que a população da zona rural sempre foi maior que a da sede do distrito ou do município. Também o Livro de Tombo da Paróquia contém dados do Censo do IBGE dos anos 1980: apenas 590 pessoas viviam na cidade e 1.189 moravam na roça. Até então, o êxodo rural não tinha o sentido zona rural-cidade, mas seguia o trajeto para Itabira, Sabará e Belo Horizonte.

GUARDAS DE MARUJOS

Todas as Guardas de Marujos então existentes nas localidades de Cauís, Banqueta e Engenho foram formadas praticamente por familiares de ex-escravos, financiadas por fazendeiros. Os três grupos abrilhantavam as festas não só na sede do distrito, como em outras cidades ou localidades. Assim como a zona rural era mais populosa, até mesmo uma Banda de Música, que pertencia ao fazendeiro Marciano Moura, era sediada na localidade de Porto, situada a seis quilômetros da sede. Somente a Banda do Godó, de Godofredo Cândido D’Almeida, tinha o seu endereço urbano, na rua do Rosário. E uma anotação à parte: eram bandas de música extremamente rivais e que quase chegavam às vias de fato por disputa de melhores dobrados e outras peças musicais. Além de som mais ensurdecedor.

Apresentação em Santa Maria de Itabira: Maestro Sebastião de Almeida Soza. Pio (falecido recentemente) e Élio Juventino, dois baluartes da Guarda de Marujos Nossa Senhora do Rosário

Apresentação em Santa Maria de Itabira: Maestro Sebastião de Almeida Soza. Pio (falecido recentemente) e Élio Juventino, dois baluartes da Guarda de Marujos Nossa Senhora do Rosário

A Banda do Godó durou mais de um século: a imagem mostra músicos em pose para o fotógrafo em 1923

A Banda do Godó durou mais de um século: a imagem mostra músicos em pose para o fotógrafo em 1923

A tendência do êxodo rural não era novidade em São Sebastião do Rio Preto, mas, sim, uma característica do desenvolvimento brasileiro. Contudo, mais forte era esse êxodo em virtude da mineração bem próxima, Itabira. O motivo central do êxodo provocou a quase completa paralisação da agricultura e da pecuária, que denunciavam o momento dramático de esvaziamento das roças no entorno. Assim, essa atratividade econômica vizinha destruiu também a cultura, o folclore, o tradicionalismo histórico.

As Marujadas então existentes e já citadas — Guarda de Marujos do Cauís, Guarda de Marujos do Engenho e Guarda de Marujos da Banqueta — começaram a ser atingidas frontalmente Dois dos entrevistados e acompanhados na atividade de militância em seus grupos — Élio Juventino Ferreira e Sebastião de Almeida Souza (este falecido recentemente) — abordaram o assunto várias vezes, lamentando a perda da identidade histórica da região.

A terceira entrevista foi além: Alaíde Graciano Ferreira, descendente do “Capitão” da extinta Marujada do Engenho, Raimundo Anastácio Silva, ou Raimundo Garangui. Alaíde, residente em General Carneiro, distrito de Sabará, neta do lendário Raimundo Garangui, tocou no tema Quilombos e Quilombolas. Deixa claro que as duas Guardas de Marujos que ajudou a criar em sua terra — a Nossa Senhora do Rosário e a São Sebastião — são originárias de grupos de negros chegados ao distrito, vindos de São Sebastião do Rio Preto, e que formaram famílias, rendendo hoje cerca de 200 praticantes da cultura afro em Sabará. Esse fenômeno o historiador denomina “exportação cultural”.

Descendentes do são-sebastianense Raimundo Garangui: esses transferiram a quilombola para o distrito General Carneiro, Sabará, com a neta Alaíde líder do grupo

Descendentes do são-sebastianense Raimundo Garangui: esses transferiram a quilombola para o distrito General Carneiro, Sabará, com a neta Alaíde líder do grupo

AINDA AS GUARDAS DE MAJUROS

Afirma Alaíde Graciano, sempre premiada em Sabará por suas atividades culturais relevantes o seguinte: “Eu já pensei em arrumar um bom tempo dentro de minha vida atribulada para pesquisar tudo. Tenho interesse em conhecer os meus antepassados, os quais, seguimos com orgulho. É interessante saber como a Quilombola se deslocou para justamente o distrito em que nasci, que pertence a Sabará e acabo sendo membro do grupo. Isso muito me orgulha”.

Outra figura importante entrevistada é Maria Flor de Maio Ferreira Muzzi, são-sebastianense, filha ao fundador da centenária Guarda de Marujos de Nossa Senhora do Rosário. Diz ela que o seu pai, Paulo Juventino Ferreira, cumpriu essa tarefa, enquanto o neto, Élio Juventino Ferreira, reforça a certeza de que o avô custeava as despesas dos marujos, e o irmão dela, também filho do patriarca, Job Juventino Ferreira, se tornou Mestre ou Embaixador da Guarda de Marujos Nossa Senhora do Rosário. Paulo Juventino, que tinha uma loja na Vila de São Sebastião, era proveniente da zona rural. Hoje, na localidade de Cauís existe a Escola Municipal Paulo Juventino Ferreira em homenagem a ele e aos seus grandes feitos de cidadão principalmente conservador da cultura então existente.

 

Paulo Juventino Ferreira: fundador da Guarda de Marujos Nossa Senhora do Rosário, a ainda resistente turma que perdeu o Maestro Pio recentemente

Paulo Juventino Ferreira: fundador da Guarda de Marujos Nossa Senhora do Rosário, a ainda resistente turma que perdeu o Maestro Pio recentemente

Homenagem ao empreendedor e entusiasta cultural Paulo Juventino Ferreira: escola municipal na localidade em que ele nasceu, Cauís

Homenagem ao empreendedor e entusiasta cultural Paulo Juventino Ferreira: escola municipal na localidade em que ele nasceu, Cauís

RIQUEZA TAMBÉM ECONÔMICA

Antes do êxodo rural, a agricultura, pecuária e a agropecuária constituíam como fatores primordiais em toda a zona rural são-sebastianense. Não apenas no Cauís, onde se destacava o fazendeiro Orlando Juventino Ferreira, como ainda em outras localidades, a exemplo de Engenho, Sete, Rio Preto, Banqueta, Barra e outros pontos do mapa rural, com a produção de café, tabaco, cana de açúcar, milho, feijão, arroz, mandioca, batatas e bananas, registro que pode ser conferido no Arquivo Público Mineiro, em Belo Horionte (1899).

Tudo isso constituíam-se fatores que permitiam a vida de melhores condições no campo. A população do distrito em 1892 era de 2.924 almas, de acordo com o trabalho do recenseador Vicente Ferreira de Almeida (APM, 1899), sendo a tendência demonstrada assim: 25% na cidade e 75% na zona rural, a mesma distribuição registrada quase um século depois, segundo o Livro do Tombo da Igreja Matriz. Hoje, a zona rural está praticamente despovoada e a população total, segundo censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de 1.613 (o IBGE não informa a separação rural/urbana, mas entendedores afirmam que a proporção é de 85% na zona urbana e os restantes 15% na zona rural).

AS SETE MARAVILHAS

Em 2012, a secretária Ana Maria Gonçalves, de Cultura, promoveu, via internet, um concurso para eleição das Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto. Receberam votações significativas os seguintes monumentos de rara beleza com votação de centenas de internautas:

— Coreto da Praça do Rosário,

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Coreto da Praça do Rosário

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Coreto da Praça do Rosário

— Cachoeira da Conquista,

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Cachoeira da Conquista

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Cachoeira da Conquista

— Quiosques da Prainha do Retiro,

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Quiosques Prainha do Retiro

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Quiosques Prainha do Retiro

— Mosaicos da Vanessa,

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Mosaicos da Vanessa

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Mosaicos da Vanessa

— Praias da Conquista,

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Praias da Conquista

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Praias da Conquista

— Cachoeira do Chuvisco (Rio de Peixe, divisa com Santo Antônio do Rio Abaixo

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Cachoeira do Chuvisco

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Cachoeira do Chuvisco

— Igreja Matriz de São Sebastião.

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Igreja Matriz do Padroeiro São Sebastião

Sete Maravilhas de São Sebastião do Rio Preto: Igreja Matriz do Padroeiro São Sebastião

Venceram a disputa: Mosaicos da Vanessa, primeiro lugar, e Igreja Matriz de São Sebastião, segundo lugar. Os demais pontos turísticos receberam também grande votação.

José Sana/NS

Fontes: Livro do Tombo, arquivo de Luzia Cândida e Arquivo Público Mineiro.

Fotos: NS

IDOSOS DE 64 ANOS RECEBEM PRIMEIRA DOSE EM ITABIRA

Matéria Anterior

13° SALÁRIO DO INSS: 1ª e 2ª PARCELA SAEM JÁ

Matéria Seguinte
5 2 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marilda Leite de Meneses
Marilda Leite de Meneses
3 months ago

Amei!
Sobre a agricultura de Sebastianense, faltou mencionar que lá funcionou uma pequena Cooperativa, que faliu porque os produtores de leite estavam desnatando o produto antes de enviar para a Cooperativa.

Madalena
Madalena
3 months ago

Bravo, rica história de SSebastião, minha terra natal!!!!

Dilton Pinto
Dilton Pinto
3 months ago

Excelente matéria sobre São Sebastião do Rio Preto

Renata de Sá
Renata de Sá
3 months ago

Que história maravilhosa! Eu fui discípula da saudosa D. Luzia. Quantas peças de teatros e corações!… Qta saudade! Parabéns pela linda história!

Sibele Almeida
Sibele Almeida
3 months ago

História linda da minha amada são Sebastião do Rio Preto…

Paulo Henrique Carvalho Vitor
Paulo Henrique Carvalho Vitor
3 months ago

Parabéns meu caro José Sana , pela sensibilidade e competência de sempre . Bom conhecer um pouco mais da origem dessa cidade e sua cultura . Que bom , pude ver de perto essas manifestações cívico religiosas em companhia principalmente de meu saudoso pai ( Emanuel da Maricas do Sô Tão do padre ) juntamente com meu tio José Lucas . Tenho várias sugestões para abordar na sequência : falar um pouco mais das bandas de músicas , dos batuques e batucadas , dos violeiros ( tive a alegria de ouvir o lendário Geraldo pachiquim ) , dos marujeiros e marujadas entre outros , Poderia abordar vários sebastianeses ilustres ( não vou mencionar pq são muitos ) ,e destacar vários personagens : Luiz de Almeida ( eterno prefeito ) , Serafim Sana , Godofredo Candido Almeida , Godofredo filho , Tãozinho Godô , Godozinho , José Bonifácio , Teia , Benedito , Salvador , José e Expedito Buti , Antônio da Ilza , Seu Liberato , Ninico Mota , Chico do padre , Nonato e Marçal , Zé e Lika Quinquim , os Fernandes , os Virgulinos , Antônio dentista , Anão ( diria naturalizado kkkk) , maricota , Iza , Dona Didina , Didi do líbio , líbio , Marcos Sana , Zé Flávio , Dona neném ( Maria Lina Ferreira ) , Rita. Bastião Paulo , Sebastião Paulo , panela , José Moura , ….. Chega…… São muitos !!!Aguardo ansioso a sequência . Forte abraço !

Paulo Henrique Carvalho Vitor
Paulo Henrique Carvalho Vitor
3 months ago
Reply to  NS

Mais uma vez parabenizo pela sensibilidade . Sou seu fã desde os tempos em q publicava crônicas , poemas e relatos de meu tio Zezé (José Lucas Ferreira) em revistas e jornais de Itabira . Aprecio muito essa sua inciativa de resgatar a história de nossas origens …. Não tive o prazer de provar o vinho de seu avó paterno , até mesmo pq era muito criança . Porém lembro perfeitamente da fisionomia do velho Godô qdo acompanhei meu pai juntamente com o seu tio Godofredo algumas vezes a São Sebastião levando medicamentos para ele . Naquela época ainda existia o velho sobrado defronte a outro sobrado , de seu avó materno , o tb saudoso Serafim Sana .Deste , tenho a grata lembrança do suco de uva e molho inglês q certamente era ele quem produzia . Apesar de muito jovem acho q provei do vinho o qual presumo q ele também o fabricava . Tenho o gostinho na boca de ambos até hj , apesar de ter passado meio século . São muitas lembranças q se não forem anotadas ,catalogadas e publicada ficarão esquecidas no passado . Conte comigo !!!

Laira Vanessa Lage Goncalves
Laira Vanessa Lage Goncalves
3 months ago

Parabéns prezado Ze Sana! Aprendi muito da historia. Vc como sempre competente dando valor a historia e as suas origens. Sucesso! Grande abraço

Idelma Ferreira Lage
Idelma Ferreira Lage
3 months ago

Amei esta reportagem! Quanta riqueza de informações!!! Saudades !

Você também pode gostar

Mais em Geral