0

A brasileira Angela Villela Olinto, física de astropartículas, professora da Universidade de Chicago e reitora da Divisão de Ciências Físicas e Matemáticas da instituição, tornou-se membro da Academia Americana de Artes e Ciências. Na mesma semana, integrou a Academia Nacional de Ciências, que, neste ano, elegeu 120 membros, sendo 59 mulheres – o maior número já eleito em um único ano. Ela alcançou grandes patamares de realizações e reconhecimento concedidos a figuras como Albert Einstein, Nelson Mandela, Charles Darwin, Martin Luther King e Winston Churchill

BRASILEIRA NOTÁVEL

Ângela Villela Olinto alcançou o posto de duas academias americanas e se destacou em trabalhos em ambas (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Ângela Villela Olinto alcançou o posto de duas academias americanas e se destacou em trabalhos em ambas (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Ao longo da carreira, Ângela fez contribuições teóricas e experimentais sobre astropartículas, incluindo pesquisas sobre o estudo da estrutura das estrelas de nêutrons, teoria inflacionária, origem e evolução dos campos magnéticos cósmicos, natureza da matéria escura e a origem das partículas cósmicas de maior energia: raios cósmicos, raios gama e neutrinos.

A especialista é considerada líder no novo campo da “física das astropartículas”, que são partículas que compõem ou interagem com a matéria, como os núcleos atômicos e os neutrinos, que vêm de fontes astrofísicas distantes do sistema solar.

De acordo com Olinto, as possíveis fontes das astropartículas incluem “buracos negros supermassivos, galáxias com formação intensa de estrelas, estrelas dissociadas por buracos negros e colisões que produzem ondas gravitacionais”.

“O termo “física das astropartículas” representa a aliança interdisciplinar entre a astrofísica e a física de partículas. Estudando as astropartículas, entendemos mais sobre as leis fundamentais da natureza”, diz Olinto.

ACADEMIAS NOTÁVEIS

Fundada em 1780, a Academia Americana de Artes e Ciências homenageia e reúne líderes de todos os campos da atividade para ressaltar novas ideias (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Fundada em 1780, a Academia Americana de Artes e Ciências homenageia e reúne líderes de todos os campos da atividade para ressaltar novas ideias (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Fundada em 1780, a Academia Americana de Artes e Ciências homenageia e reúne líderes de todos os campos da atividade para ressaltar novas ideias, abordar questões de importância nacional e mundial e trabalhar em conjunto. Seus estudos ajudam na pesquisa e análise nos setores da política, ciência, tecnologia, segurança global, assuntos internacionais, política social, educação e ciências humanas.

Já a Academia Nacional de Ciências, a que ela se integrou também, é uma instituição privada sem fins lucrativos, que foi estabelecida sob uma carta do Congresso assinada pelo presidente Abraham Lincoln em 1863. Ela reconhece a conquista em ciência por meio de uma eleição do conselho, e —  ao lado da Academia Nacional de Engenharia e da Academia Nacional de Medicina — fornece conselhos e pesquisas sobre ciência, engenharia e saúde para o governo federal e outras organizações.

Sobre se tornar membro das duas academias em menos de uma semana, Olinto descreve a experiência como “muito emocionante”. “É uma imensa honra ser membro de uma destas duas instituições históricas, as academias mais importantes na ciência nos Estados Unidos. Sou privilegiada por ter seguido perguntas inspiradoras sobre o nosso universo, e ter construído parcerias e colaborações brilhantes no caminho. É uma grande alegria ser reconhecida pelos meus colegas cientistas, especialmente em um ano tão desafiador”, diz Ângela Olinto.

Ângela Villela Olinto é líder no novo campo da “física das astropartículas” e trabalha em projetos com a Nasa (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Ângela Villela Olinto é líder no novo campo da “física das astropartículas” e trabalha em projetos com a Nasa (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Para mulheres brasileiras como Olinto que podem ter interesse no ramo científico, a física deixa a mensagem: “A beleza da ciência, como da arte, é, ou deveria ser, acessível a todos nós. Se esta beleza te inspirar, não deixe ninguém dizer que não é para mulheres. Leia, estude, aprenda com sinceridade e tenha respeito pela beleza complexa da área que escolher. Seguindo a sua intuição, dedicação e convicção, você pode ir muito longe. Como numa escalada, se focar no caminho a frente, quando chegar no alto pode olhar para trás com orgulho da escalada cumprida.

Com Karina SouxaRevista Exame/Istoé Dinheiro/NS

PRA ONDE VAI A MÚSICA?

Matéria Anterior

DIRETORA DO SAAE VISITA BARRO BRANCO POR FALTA DE ÁGUA

Matéria Seguinte
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Você também pode gostar