0

 O prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage, foi um dos destaques da programação desta quinta-feira (17) do e-Mineração, evento online promovido pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram). O chefe do Executivo de Itabira participou de uma roda de debates com o tema “Desenvolvimento Econômico em Territórios Minerados”, quando defendeu a diversificação econômica sobre os pilares da sustentabilidade.

SALA VIRTUAL

Participantes do evento e-Mineração ouviram e acertaram-se com proposta do prefeito de Itabira Marco Antônio Lage (Imagem Coord.Com.Social PMI)

Participantes do evento e-Mineração ouviram e acertaram-se com proposta do prefeito de Itabira Marco Antônio Lage (Imagem Coord.Com.Social PMI)

A sala virtual também contou com as presenças do diretor-técnico do Sebrae/MG, João Cruz Reis Filho; do diretor-presidente da Fiemg, Flávio Roscoe Nogueira; e do prefeito de Conceição do Mato Dentro e atual presidente da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig), José Fernando Aparecido de Oliveira. A moderação (mediação) do debate foi feita pelo presidente do Ibram, Flávio Ottoni Penido.

ITABIRA, CIDADE-PILOTO

Prefeito de Itabira defendeu proposta que já começa a funcionar em encontros com empresa e comunidade itabirana de Itabira-piloto (Imagem Coord.Com.Social PMI)

Prefeito de Itabira defendeu proposta que já começa a funcionar em encontros com empresa e comunidade itabirana de Itabira-piloto (Imagem Coord.Com.Social PMI)

Durante a conversa, Marco Antônio Lage abordou a participação de Itabira como cidade-piloto no Projeto de Reconversão Produtiva em Territórios Mineradores, encabeçado pelo Sebrae, Ibram, Fiemg, Amig, Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Minas Gerais (Sede/MG) e Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). Por meio da iniciativa, as entidades buscam contribuir para a redução da dependência econômica de municípios mineiros em relação à atividade minerária.

Os participantes da conferência defenderam que a ponte para o desenvolvimento requer a boa governança em um projeto robusto de diversificação econômica. Para o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, é necessário construir uma governança que vá além dos governos e da mineração, com planejamento estratégico a médio e longo prazo. Outro tema importante debatido foi como reduzir o horizonte de longo prazo para a dependência econômica. Em Itabira, por exemplo, a Vale já anunciou que o fim da exploração do minério de ferro está marcado para 2031.

ENVOLVIMENTO DA SOCIDADE

Sociedade itabirana vai sendo introduzida no projeto de discussão do futuro autossustentável para a cidade-polo (Foto: Arquivo)

Sociedade itabirana vai sendo introduzida no projeto de discussão do futuro autossustentável para a cidade-polo (Foto: Arquivo)

Marco Antônio Lage explicou que o governo municipal itabirano já discute com a sociedade dois aspectos fundamentais para o momento pós-exaustão mineral: o envolvimento de toda a sociedade e o conhecimento para desenvolver, em curto prazo, a busca por alternativas econômicas.

“Estamos bastante felizes por ter essas instituições empenhadas na recondução econômica dos municípios mineradores após a atividade mineral, e mais feliz ainda por Itabira ter sido escolhida como cidade-piloto deste projeto. Nosso município vive o mesmo drama das outras cidades, como o medo do rompimento das barragens e a exaustão mineral, depois de 80 anos de extração em Itabira”, iniciou o prefeito.

Ainda segundo Marco Antônio, o grande desafio é definir a vocação econômica dos municípios. No entanto, Itabira trabalha seis principais eixos para a sustentabilidade e diversificação econômica. São eles: turismo (literário, ecológico e rural), agronegócio, educação (polo educacional em decorrência da Universidade Federal de Itajubá – Unifei – e diversos centros universitários existentes no município), medicina de alta complexidade (Itabira é polo na região do Médio Piracicaba, absorvendo em seus dois hospitais uma população de cerca de 450 mil pessoas), polo logístico e, ainda, a própria mineração (com o fim do minério de ferro, discute-se que a Vale pode beneficiar minerais na cidade).

“A atividade mineral é fundamental para todo o país, mas, principalmente para o Estado de Minas Gerais. Por isso, pode deixar um grande legado para os municípios mineradores após seu fim. O protagonismo de uma governança local atuante é indispensável para o sucesso desse processo. Assim, toda a sociedade itabirana, incluindo instituições, gestão municipal e vereança, está empenhada em desenvolver o legado que será deixado após a mineração”, concluiu Marco Antônio Lage.

CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO

Prefeito de Conceição do Mato Dentro e presidente da Amig, José Fernando Aparecido de Oliveira crê na expansão mineral a partir de sua cidade (Foto: Arquivo)

Prefeito de Conceição do Mato Dentro e presidente da Amig, José Fernando Aparecido de Oliveira crê na expansão mineral a partir de sua cidade (Foto: Arquivo)

O prefeito José Fernando Aparecido de Oliveira, presidente da Amig, que participou, também, do seminário online, está vendo o crescimento de seu município que expande a mineração para a região.  Zé Fernando tem o exemplo de sua cidade, que caminha em sentido inverso ao de Itabira, em perspectivas de expansão. Está atento a este processo, e procura a  melhor alternativa.

A Mina de Serpentina, situada entre Conceição e Morro do Pilar, pode ser a aposta da Vale nos próximos meses, o que as lideranças regionais dão como certo. Hora de ampliar o entendimento. O prefeito Marco Antônio Lage, como líder natural da região, deixou a marca de suas ações em sua palestra sobre Itabira-piloto.

Por Coord. Comunicação Social/PMI/ Notícia Seca

FESTA À MODA ANTIGA: DR. COLOMBO APLAUDIDO POR ITABIRANOS AO COMPLETAR 100 ANOS

Matéria Anterior

ALUNOS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE VOLTA ÀS AULAS PRESENCIAIS

Matéria Seguinte
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Você também pode gostar

Mais em Economia