0

Centenas, milhares de crianças, jovens, adultos e idosos perambulam pelas ruas, becos e vielas, como zumbis, à procura de uma nova dose, uma nova pedra, mais uma vez, cada vez mais. Vítimas de uma doença desconhecida por todos e cercada por mitos, preconceitos e tabus.

Em foco a Dependência Química. Doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2001 e que mata milhões de pessoas anualmente por doenças, acidentes, overdoses, suicídios e assassinatos.

Vítimas do preconceito, da falta de informação e tratamento, são chamados de sem-vergonha, mentirosos, sem caráter, até mesmo por seus parentes e amigos.

A família nega a dependência, os governos omitem informações e campanhas educativas, causando milhares de mortes que poderiam ser evitadas com um tratamento digno e acompanhamento interdisciplinar.

 

A dependência química é uma doença crônica, complexa, progressiva, incurável e potencialmente fatal. Considerada como uma doença multifatorial, demanda um tratamento cuidadoso, biopsicossocial-espiritual-cultural.

A falta de conhecimento sobre a dependência química e sua complexidade é um grave problema social e que precisa de um olhar atento e cuidadoso por parte dos governos e da sociedade. Diante disso, iniciamos a série: “Um novo olhar sobre a dependência química” ,  com o objetivo de informar e orientar sobre a doença silenciosa que destrói e mata famílias inteiras.

* Sônia Rodrigues de Souza

Sônia Rodrigues de Souza
Sônia Rodrigues de Souza é Terapeuta holística e conselheira em toxicodependência, palestrante, professora no Curso de Formação de Conselheiros em Dependência Química no Exército Brasileiro, coordenadora do Grupo Amor Exigente de Itabira.

    CONSULTORIA AJUDA COASIR NA PRODUÇÃO DE UNIDADES FRUTÍFERAS

    Matéria Anterior

    O CÉREBRO DE UMA PESSOA IDOSA

    Matéria Seguinte
    0 0 votes
    Article Rating
    Subscribe
    Notify of
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    View all comments

    Mais em Colunas