Notícia Seca prefeitura
HUMOR DOCUMENTÁRIO CRÔNICAS CULTURA GERAL JORNAL DE PREÇOS VÍDEOS MEIO AMBIENTE CIDADES ECONOMIA EDUCAÇÃO SAÚDE
Boa tarde - Itabira, sábado, 14 de dezembro de 2019   NOTÍCIA SECA CONTATO

CRÔNICAS  
VÂNI, UM PRESENTE
Dos Carvalho e dos Moura, vindos de Ferros e São Sebastião do Rio Preto 19/11/2019

 

Tudo o que sei de Vâni de Carvalho Moura já disse e escrevi. Só faltaram detalhes que a memória jamais esquece. Aqui tento retornar àquele passado de lutas e glórias, dos caminhos e das vitórias desta criatura iluminada.

 

Quando cheguei à grande (para mim) Guanhães, em 5 de fevereiro de 1957,  Vâni  lá estava e já deslumbrava. Muito cedo descobri que o pai dela, Raimundo Rodrigues de Moura, fabricava o Guaraná Moura, além da soda. A mãe, Maria de Carvalho Moura, ferrense, principalmente na tradição dos Carvalho. Ela cuidava da casa e dos filhos. Tiveram quatro: Wit, Eny, Vâni e Fábio.

 

Era eu um frequentador assíduo da Fábrica de Guaraná Moura. Joãozinho do Sargento, meu maior amigo na época, colega de classe no antigo Ginásio Estadual de Guanhães, me intimava a ir  filar rapas deliciosas de doce de leite do Laticínios Virgínia, no fim da Rua Areão.  Como troco e pagamento de conta, levava-o para ajudar Seu Raimundo no engarrafamento do refrigerante, a moda da época na região. De salário, pagamento simultâneo ao honroso trabalho, recebíamos uma garrafa da delícia fabricada.

 

Para nossa alegria, de vez em quando víamos Vâni. Encantadora. Aquela a quem nenhuma namorada, noiva ou esposa de outro tinha o direito de se sentirem enciumadas. Porque a beleza dela, acima dos limites permitidos na época, cancelava o direito de pensar o contrário. Tempos depois descobri que, além de bela, era igualmente linda internamente. A importância de Vâni  para este simples texto: nesta data, 19 de novembro de 2019, ela estaria completando 86 anos.

 

Vâni casou-se com o primo, considerado um galã de cinema, Lúcio Rodrigues de Moura. Ele filho de Urbano e Dona Ana, conhecida na vizinhança como Sá Donana. No dia 26 de outubro de 1958 casaram-se primo e prima e eu e minha então futura esposa Marlete tornamo-nos pajem e dama de honra, instigados a dar as mãos igreja adentro pela inigualável e quase centenária Maria Lina Ferreira, ou Neném de Dona Maricas. Lá na frente o lendário pároco da Igreja de São Miguel Y Almas, Padre Geraldo Magela, esfregava as mãos, ansioso para abençoar os nubentes.

 

Daí para a frente aconteceram fatos cada vez mais interessantes até o inesperado falecimento dela: Lúcio tornou-se odontólogo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Vâni professora de alunos apaixonados. Os filhos Vanessa (médica) e Ronaldo (a mesma carreira do pai), vivem hoje na Áustria. Vâni faleceu em 30 de maio de 2019 em Sarleinsbach, cidade vizinha de Viena. Ali foi sepultada.

 

A história continua porque Vâni é eterna. A memória se expande em exemplos infindáveis, sua bondade, garra e liderança mostram que o ser humano pode e deve alcançar o cume de seus sonhos. Alguém pode perguntar: e Guanhães, como está? Para mim é a mesma em que, na Rua do Paquetá, desfilava quase no ar, suspensa, bela por natureza a enigmática criatura de Deus, dona de nossos aplausos. Outros amores dela, além do marido, irmãos, filhos, sobrinhos, primos, amigos, todos sabem que os valores deixados por ela não têm fim.

 

Se um Anjo descesse hoje do Céu para transmitir notícias dela, daria a seguinte informação: Deus adotou Vâni como filha predileta pelos lampejos de amor que soube soprar em todas as direções de onde morou: Guanhães, Rio, Niterói, Ouro Preto, Ilhabela e ultimamente Sarleinsbach e Viena. Sem esquecer Ferros e São Sebastião do Rio Preto, que enviaram seus pais de presente como uma dádiva também divina.

 

José Sana

Em 19/11/2019

Fotos 1 - Vâni (Álbum de família)

          2 - A família reunida na formatura de Lúcio (Álbum de família)


 

 

caracafm
 
INFORMAÇÃO DE QUALIDADE! E-mail: contato@noticiaseca.com.br
Notícia Seca 2019. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvedor: SITE OURO