0

Um Acordo de Compromisso e Cooperação Mútua entre os municípios do projeto Rio Vivo e o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba (CBH-Piracicaba) foi assinado nesta semana em João Monlevade, na sede da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Piracicaba (Amepi) . Objetivo é aumentar a disponibilidade hídrica, promover o saneamento rural e reduzir a geração de sedimentos em estradas rurais. O vice-prefeito Marco Antônio Gomes representou Itabira no evento.

“Participar desse projeto é muito importante para nós. Itabira atravessou uma fase muito difícil na questão do abastecimento e dos reservatórios de água. Assim, o Rio Vivo veio para salvar essa rede das nascentes importantes que se unem para formar um grande rio. Quando falamos em preservação da natureza, entendemos que não basta apenas plantar árvores, mas há também a necessidade de proteger as nascentes. É aí que vamos conseguir abastecer a cidade e trazer novamente o homem de volta ao campo onde terá seu sustento. A partir desse acordo, nasce uma esperança para todos os itabiranos na preservação da água”, afirma o vice-prefeito.

Principal iniciativa hidroambiental realizada por CBHs do Rio Doce, do qual o CBH-Piracicaba faz parte, o Rio Vivo reúne três ações realizadas pelos comitês: Programa de Controle das Atividades Geradoras de Sedimentos, Programa de Saneamento Básico e Programa de Recomposição de Áreas de Proteção Permanente (APPs) e Nascentes. A primeira etapa, já iniciada, contempla o diagnóstico das propriedades rurais e os projetos das intervenções ambientais.

Participarão das intervenções cerca de três mil imóveis rurais de 20 municípios da região, além de Itabira. Serão implantados projetos de recuperação de nascentes, por meio do cercamento e revegetação; de remediação de áreas degradadas geradoras de sedimentos; e de sistemas de tratamento de esgoto. Na região contemplada com recursos do CBH-Piracicaba, como é o caso de Itabira, também haverá investimentos em sistemas de tratamento de água.

A conservação de áreas importantes para a biodiversidade e preservação dos recursos hídricos no é meta do programa Águas de Itabira. Foram 87 cadastros, superando as expectativas da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), que planejou cadastrar 70 proprietários rurais. A Prefeitura poderá remunerar os participantes a partir do engajamento na conservação da biodiversidade, proteção das nascentes e produção de água. O valor total de recursos previstos para este ano é de até R$ 700 mil.

NS
José Sana, jornalista, historiador, graduado em Letras, nasceu em São Sebastião do Rio Preto, reside em Itabira desde 1966.

    Dona  Isabel:  de serviços gerais na fábrica da pedreira ao centenário comemorado com filhos, netos, bisnetos e tataranetos

    Matéria Anterior

    Um tributo a quem fez a diferença na área da saúde em João Monlevade.

    Matéria Seguinte
    0 0 votes
    Article Rating
    Subscribe
    Notify of
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    View all comments

    Você também pode gostar