0

Aids, Chikungunya, Dengue, Zika, além de outras consequências do Aedes Aegypti e  quase a certeza da Terceira Guerra Mundial. Não é chegada a hora de acordar? Ou vamos aguardar o Apocalipse ainda mais escancarado?

“Acordar  para  quê e fazer o quê?” — pode perguntar alguém curioso. A resposta que não se cala: o ser humano, seja  intelectual, ou cientista, ou quem quer que seja,  meteu o bedelho demais nesta passagem pelo Planeta Terra. Acha que é “deus” E tudo deu e dá errado. Diria que falso dono do mundo inventou o rádio, o motor, o telefone, o avião, a internet, só como exemplos. Mas nada escapa do meio a meio —  50% certo e 50% errado. Conclusão: o homem não soube recriar. Deu com “os burros n’água”.

Outro diria que não existiu nem existe um caminho senão o que o livre arbítrio apontou e aponta. E assim nascem  pensamentos diferentes, que levam todos a conclusões diversas e equivocadas. Sim, é verdade, mas as cotas de erros esgotaram-se. Chegamos à beira do precipício.

Elegemos Itabira como o centro do mundo. A escolha se justifica pelo direito livre. O centro puxa  centenas de regiões de influência e, assim, Itabira é caso sui generis no em toda a história.

Estamos em ano de eleições, começam os debates “ideológicos”. Em geral, o brasileiro não sabe o que significa capitalismo, socialismo, neoliberalismo, comunismo. Se não sabe, de que vale discutir? Não seria melhor seguir a pauta cumprida das promessas eleitorais de todos os partidos políticos no último pleito? “Eu sou Itabira” — recordam-se?

No seio das discussões, as conversas sem base são as que chamamos de diferenças que o próprio ser humano cria, fruto da natureza má. Ora, por que a necessidade de declarar-se contra ou a favor de machismo, feminismo, contra  homofobia, preconceitos, contra  isso, contra aquilo?  Não há esta necessidade e Itabira nunca quer isso. A Justiça e a Polícia têm essa função.

Que cada um se comporte segundo os mandamentos de sua religião, ou  da ética, do respeito, da postura correta, da educação, das leis. Voltamos a lembrar: só o futuro de Itabira nos  interessa e fim de papo. Por enquanto, o chamado de agora é: chega de inventar! E não vamos desistir,

A EDITORIA

NS
José Sana, jornalista, historiador, graduado em Letras, nasceu em São Sebastião do Rio Preto, reside em Itabira desde 1966.

    Prefeitura de Itabira disponibiliza área para instalação de agência bancária em Senhora do Carmo

    Matéria Anterior

    Quatro casos de violência no futebol brasileiro

    Matéria Seguinte
    0 0 votes
    Article Rating
    Subscribe
    Notify of
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    View all comments

    Você também pode gostar

    Mais em Editorial